aguarde...

8 de junho de 2021

Como praticar o design inclusivo em seu fluxo de trabalho diário (6 dicas para designers)

Como praticar o design inclusivo em seu fluxo de trabalho diário (6 dicas para designers)

Em 1999, as primeiras Diretrizes de Acessibilidade de Conteúdo da Web foram lançadas ao público. Eles inauguraram uma era de tornar a web acessível para pessoas com deficiência.

Embora a acessibilidade seja um componente-chave do design inclusivo, é apenas uma parte da imagem. O design inclusivo vai um passo além para criar uma experiência de usuário positiva para todas as pessoas na web. Neste artigo, vamos explorar 6 maneiras pelas quais você pode começar a projetar produtos digitais mais inclusivos que levem em consideração todo o espectro da diversidade humana.

“Para projetar com eficácia para públicos modernos e multiculturais, temos que estar dispostos a desafiar nossas formas usuais de reunir inspiração e conceituar nossos projetos.” – Senongo Apkem, autor de design transcultural

  • Lembre-se de que não existe um usuário “normal”
  • Identifique suas suposições
  • Apresentar informações de várias maneiras
  • Desconfie de usar cores para transmitir informações
  • Abrace uma tipografia maior
  • Teste com diversos usuários
Como praticar o design inclusivo em seu fluxo de trabalho diário (6 dicas para designers)
Arte por tubik.arts

O que é design inclusivo?

Comecemos pelo princípio: o que significa design inclusivo exatamente? Ao contrário da acessibilidade, o design inclusivo não leva em conta apenas as deficiências que podem afetar o acesso ao conteúdo da web. Também considera os aspectos ambientais, culturais e outros da existência humana ao criar uma teia que pode ser usada por todos.O design inclusivo considera todas as formas de diversidade humana para criar experiências digitais que podem ser utilizadas por todos.

O design inclusivo visa incluir o maior número possível de pessoas em um produto ou experiência. É um método de design que busca criar produtos e experiências que levem em consideração todas as formas de diversidade humana. Isso geralmente envolve a consideração de muitos fatores diferentes baseados na identidade, que incluem idioma, gênero, idade, cultura, etnia e habilidade.

Agora, vamos examinar algumas maneiras concretas de você, como designer, começar a pensar e projetar experiências mais inclusivas na web.

Como praticar o design inclusivo em seu fluxo de trabalho diário (6 dicas para designers)
Arte de Orne Turco para Eventbrite

Lembre-se de que não existe um usuário “normal”

Um dos princípios-chave do design inclusivo é que não existe um usuário “normal” da web. O que muitos designers consideram um usuário típico não existe universalmente. Mesmo o seu usuário “médio” pode ter circunstâncias temporárias que impedem o uso fácil dos recursos padrão do site.

Considere o conteúdo de áudio, por exemplo. Embora alguém com deficiência auditiva possa ter problemas para acessar o conteúdo de áudio, alguém que está sentado em um restaurante barulhento também pode não conseguir acessar esse conteúdo. A situação é temporária no segundo caso, mas a solução para ambos os problemas (criar uma transcrição do conteúdo de áudio) cria um site mais útil para todos.O que muitos designers consideram um usuário típico não existe universalmente.

O mesmo vale para alguém que só consegue interagir com uma IU com uma das mãos. Isso pode se aplicar a alguém com uma deficiência física permanente, alguém que quebrou um braço ou mesmo um novo pai que muitas vezes carrega seu filho com um braço. Criar uma IU móvel com a qual possa interagir com uma única mão cria um aplicativo ou site mais utilizável para todos esses usuários.

É fundamental, ao criar projetos inclusivos, considerar todos os casos de uso possíveis que os usuários podem apresentar, sejam eles permanentes ou temporários, ambientais ou culturais, etc.

Como praticar o design inclusivo em seu fluxo de trabalho diário (6 dicas para designers)
Arte de Nick Slater

Identifique suas suposições

Os maiores descuidos que os designers podem fazer ao criar designs inclusivos vêm de suas próprias suposições. Podemos facilmente ignorar casos de uso alternativos quando nós mesmos não passamos por essas situações.

Antes de embarcar em qualquer projeto de design, considere as suposições que você fez sobre os usuários do produto. Em seguida, pense em quem mais pode estar usando o mesmo produto e em que situações.

Por exemplo, digamos que você esteja desenvolvendo um jogo para celular. O conteúdo de áudio pode contribuir para uma rica experiência de jogo, mas sempre deve haver alternativas para obter as informações necessárias que não exigem escuta. Além de uma deficiência auditiva, alguém pode estar tocando com o volume baixo para evitar incomodar outras pessoas ou pode estar no ambiente barulhento mencionado acima, onde não podem ouvir.

Se você estiver tendo dificuldade em identificar suas suposições, consulte grupos de discussão ou colegas. Pergunte a um grupo diversificado de pessoas como eles usam determinados tipos de produtos digitais para ter uma ideia dos casos de uso que você pode não ter considerado.

Como praticar o design inclusivo em seu fluxo de trabalho diário (6 dicas para designers)
Arte de Darya Semenova

Apresentar informações de várias maneiras

Apresentar informações em um site de várias maneiras torna essas informações mais fáceis de acessar para todos. Legendas ocultas em vídeos, transcrições de podcasts e representações visuais de conteúdo de texto podem tornar as informações mais acessíveis a todos.Ao fornecer conteúdo em diferentes formatos, você possibilita que uma gama mais ampla de pessoas consuma esse conteúdo.

Uma grande vantagem de apresentar informações de várias maneiras é que isso ajuda a explicar vários estilos de aprendizagem. Algumas pessoas aprendem melhor vendo algo demonstrado. Outros podem aprender melhor lendo as informações. Ainda assim, outros podem preferir ouvir um conceito sendo explicado.

Quando você pode fornecer conteúdo em tantos formatos quanto possível, possibilita que as pessoas consumam esse conteúdo da maneira que funcionar melhor para elas.

Desconfie de usar cores para transmitir informações

A cor pode ser uma ferramenta poderosa para evocar emoções , influenciar o comportamento e transmitir informações. Mas existem alguns problemas em depender exclusivamente da cor para qualquer uma dessas coisas.

Em primeiro lugar, os usuários daltônicos podem não ser capazes de discernir com eficácia as informações representadas apenas por cores (como seções de um gráfico de pizza). Existem ferramentas que você pode usar para minimizar isso , mas é uma boa ideia também apresentar as informações de maneiras alternativas.

Em segundo lugar, existem diferenças culturais que influenciam como as várias cores são percebidas em diferentes culturas. Por exemplo, em grande parte do mundo ocidental, o branco está associado à pureza, limpeza e inocência. Mas em grande parte da Ásia, está associado à morte.

Ao projetar para uma base de usuários global, é importante entender as implicações da cor nas culturas.

Como praticar o design inclusivo em seu fluxo de trabalho diário (6 dicas para designers)
Arte de Maya Ealey

Abrace uma tipografia maior

A tipografia maior tem sido uma tendência proeminente de web design por alguns anos. O que muitas vezes é esquecido, porém, é o impacto que isso tem sobre a inclusão.

A tipografia maior torna o conteúdo mais fácil de ler para todos, sejam eles com deficiência visual ou não. Pode reduzir o cansaço visual, tornar mais fácil a leitura de conteúdo em telas menores e, geralmente, apenas tornar os sites mais utilizáveis.

Teste com diversos usuários

A chave para criar designs verdadeiramente inclusivos é testá-los com diversos usuários. Não confie em testes de usuários de pessoas cujas experiências de vida e situações são quase idênticas às suas. Procure pessoas com experiências, origens e habilidades diversas para ver onde estão as deficiências em seus produtos.

Esse tipo de teste de usuário deve ser feito durante todo o processo de design. Quando você projeta com exclusividade em mente desde o início, seu produto final atenderá melhor às necessidades de todos os seus usuários em potencial. ■

Postado em Blog
Escreva um comentário